Flávio Dino foi desleal com o Partido Comunista do Brasil, diz dirigente histórico do PCdoB

Aloísio Barroso, dirigente histórico do PCdoB

A DESERÇÃO DISFARÇADA DO GOVERNADOR

Após meses inventando uma conversa de “fusão” partidária com o PSB, o governador do Maranhão desfila-se do PCdoB, às vésperas de reunião da Direção Nacional convocante do seu 15º Congresso. Flávio Dino e seus funcionários passaram mais de um ano plantando fartas notas na mídia burguesa sobre algo inexistente, enquanto aprontava as malas para o PSB: este partido, inclusive, jamais deu uma palavra formal sobre a tal “fusão” com o PCdoB. Igualmente, comunicara à imprensa, cerca de dois anos antes das eleições de 2022, repetindo que ele votaria em Lula à presidência da República, em pronunciamentos completamente à revelia da direção partidária. Pior, ele mesmo – e por si mesmo! – declarara-se candidato àquele posto (Valor Econômico, 26/07/2019) sem ter havido qualquer discussão substantiva nesse sentido.

Flavio Dino foi DESLEAL com o Partido Comunista do Brasil, provocou enorme confusão na militância de norte a sul, chegando a insinuar que o PCdoB estaria liquidado institucionalmente; outra mentira que mistura não realizar eventualmente a (restritiva e antidemocrática) “cláusula de barreira”, com o suposto fim da representação parlamentar e institucional desse partido. Mais ainda: para não sair sozinho do Partido tentou “arrebanhar” importantes lideranças comunistas, que, dignamente, a isso rechaçaram. O que faz suspeitar que havia também o objetivo de “esvaziar” e assim desacreditar mais ainda o PCdoB. Ou aparentá-lo mais insignificante.

Portador de juras à democracia – e tendo dado inegável contribuição a esta dura luta -, várias vezes porta-voz loquaz do “materialismo histórico”, assim como dizia-se praticante do “centralismo democrático”, Dino desmorona ideologicamente e sai do PCdoB – o que é um direito seu. Mas revela que coleciona sobejas mostras de mandonismo e caciquismo político, típicos de políticos liberais-burgueses, portanto inteiramente avesso ao (árduo e inquietante) caminho coletivo das decisões e convicções comunistas. Conduta essa igualmente incompatível com a perseverança militante para as grandes transformações que requerem os combates de classe à transição ao Socialismo.

CENTENÁRIO, o Partido Comunista do Brasil e seus militantes já viveram todas as lacerantes vicissitudes que se pode esperar de uma corrente político-ideológica compromissada com os trabalhadores até as últimas consequências. Por isso mesmo, além de ajustar (criticamente) suas políticas, não pode legitimar passivamente a retórica de trânsfugas ambiciosos que choramingam agora a “acolhida fraterna” que sempre tiveram da gloriosa legenda comunista.

AVANTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *