O favorito de Lula para vice em 2022 está mais próximo

O sonho de Lula em ter o empresário Josué Gomes como seu vice nas eleições de 2022 parece não estar tão longe. Josué é filho de José Alencar, que foi vice-presidente do governo Lula. Hoje, Josué é diretor-presidente da Coteminas, maior grupo têxtil do país.

Amigos do empresário relataram à coluna que ele vem mostrando cada vez mais interesse no posto. Josué, porém, não pretende admitir essa possibilidade fora de conversas privadas, principalmente porque ainda falta um ano e cinco meses para as eleições.

No PT, a avaliação é a mesma. Lideranças da sigla acreditam que Josué dá sinais cada vez mais claros de seu interesse com o projeto de Lula para 2022, mas não quer antecipar nada, por enquanto.

Josué Gomes, que tem 58 anos, toca hoje os negócios da empresa do pai. José Alencar morreu em março de 2011, aos 79 anos, vítima de câncer.

Em nota, a assessoria de imprensa de Josué afirma que o empresário será o próximo presidente da Fiesp e que não tem planos de integrar uma chapa presidencial em 2022. “Josué Gomes, presidente da Coteminas, concorre à presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), cujas eleições serão realizadas em 5 de julho próximo. Para isso, constituiu chapa que conta com o apoio de aproximadamente 98% do colégio eleitoral da entidade”.

– Esta é a missão que abracei e à qual estarei integralmente dedicado até o fim do meu mandato à frente da importante federação do meu setor. Minha única agenda será o trabalho em favor do fortalecimento da indústria – disse o empresário. O Globo

Presidente do PDT diz que Lula pode enfrentar Ciro no segundo turno

Carlos Lupi afirmou que Jair Bolsonaro está derretendo ao comentar o resultado da pesquisa do Datafolha

O presidente do PDT, Carlos Lupi, comentou o resultado da pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira (12).

Como mostramos, Jair Bolsonaro despencou. Lula registra 41% das intenções de voto no primeiro turno enquanto o presidente tem 23%.

Ciro Gomes fica em terceiro lugar com 6%.

À Folha, Lupi disse que Lula pode enfrentar Ciro em um segundo turno.

“Começa a se construir um segundo turno Lula versus Ciro. É algo que venho falando desde dezembro e que começa a ganhar corpo.”

Segundo o presidente do PDT, o ódio a Bolsonaro deve crescer ainda mais.

“Bolsonaro tende a derreter cada vez mais e a representar o espectro mais radicalizado da sociedade, do ódio, da discriminação da direita mais raivosa. Como Moro e Huck não devem ser candidatos, há um grande espaço para o crescimento do Ciro.” O Antagonista.

Lula quer PT com PDT, PCdoB, PSB e MDB no mesmo palanque no MA…

Movimentos do ex-presidente deixam claro que ele pretende em uma aliança de centro-esquerda, que pode reunir o governador Flávio Dino e a ex-governadora Roseana Sarney no palanque do senador Weverton Rocha; reação de lideranças petistas e emedebistas maranhenses – com pouca ou nenhuma influência nas instâncias nacionais – tem mais a ver com a tentativa de manter espaços no segundo e terceiro escalões de um eventual governo do vice tucano Carlos Brandão.

Weverton Rocha participou de jantar exclusivo com o ex-presidente Lula e a bancada do PT, movimento que repercutiu diretamente no debate eleitoral de 2022 no Maranhão

A intensa repercussão da movimentação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na semana passada, reforçou a tese de uma aliança de centro-esquerda que reúna não apenas o PT, mas também o PDT, o PCdoB, o PSB e também o MDB nas eleições de 2022.

E esta aliança indica a possibilidade de um palanque no Maranhão que reúna o atual governador e pré-candidato a senador, Flávio Dino (PCdoB), e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), no palanque do senador Weverton Rocha (PDT) ao Governo do Estado.

Interlocutor frequente de Flávio Dino, Lula fez dois gestos na direção da aliança: 

1 – recebeu Weverton Rocha em um jantar com a bancada do PT no Senado e os dirigentes nacionais do partido; 

2 – Foi recebido pelo ex-presidente José Sarney (MDB).

Apesar de não comandar seus partidos, tanto Weverton quanto Sarney têm forte influência na direção nacional dessas legendas, o que pode garantir a aliança.

A reação de algumas lideranças locais do PT e do MDB – com pouca ou nenhuma influência influência nas instâncias nacionais de seus partidos – foi, num primeiro momento, a de minimizar a movimentação de Lula.

Os petistas maranhenses têm indicações no segundo e terceiro escalões do governo Flávio Dino; os emedebistas, a maioria da chamada velha guarda sarneysista, são mais vinculados às ideias do presidente Jair Bolsonaro.

Estas lideranças fazem gestos ao atual vice-governador Carlos Brandão (PSDB) – que deve assumir o comando do estado em abril de 2022 – tentando garantir posições no eventual governo tucano-bolsonarista.

A questão é que os movimentos de Lula rumo ao centro-esquerda visam, exatamente, neutralizar o PSDB como opção de poder a Jair Bolsonaro.

E mostram que o caminho natural do PT é com PDT, PCdoB, PSB e MDB…

Fonte: Marcos D’Eça

Flávio Dino ainda não desistiu de ser o vice-presidente na chapa de Lula

Coincidência ou não, mas o PSB ainda não fechou as portas e deve receber o ingresso do governador do Maranhão, Flávio Dino. O ex-presidente Lula aguarda que seu vice seja de um partido de centro-esquerda, como o PSB. 

Na imprensa nacional, o nome de Dino continua sendo especulado como fututo parceiro de Lula na corrida presidencial. O maranhense nunca informou oficialmente que não quer ser o vice, embora diga sempre que sua prioridade é disputar a única vaga de senador pelo Maranhão em 2022.

Ficando com o pé lá e outro aqui, Flávio Dino vai mantendo sua posição radical contra o governo de Jair Bolsonaro e ganhando destaque entre os defensores do retorno de Lula, além da fidelidade que sempre manteve ao líder petista.

No Maranhão, Dino quer fazer cabelo, barba e bigode, ainda mais se for realmente escolhido o vice de Lula. Porém, falta combinar com as lideranças políticas do nosso estado e, óbvio, com o eleitor.

Fonte: Luís Cardoso

Maranhão, afronta Ciro e chacoalha base de Flávio Dino

uando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fechou o punho e mirou em direção ao senador Weverton Rocha (PDT-MA), as fotos registraram apenas um reencontro entre dois parceiros políticos.

O gesto de Lula, porém, foi cercado de simbolismos.

O ex-presidente participou de um jantar na última terça-feira (4) em Brasília com senadores petistas e apenas um único político de um outro partido —Weverton.

Lula sinalizou um possível apoio à candidatura de Weverton ao Governo do Maranhão, demonstrou força frente ao presidenciável Ciro Gomes (PDT) em uma de suas bases mais promissoras e chacoalhou o núcleo político do governador maranhense, Flávio Dino (PC do B).

Prestes a encerrar seu segundo mandato, Dino tem sua base aliada dividida entre as pré-candidaturas de Weverton e do vice-governador, Carlos Brandão (PSDB).

Ambos travam uma disputa velada sobre quem irá unir a heterodoxa base de Dino, que inclui partidos que vão do PT ao DEM, na sucessão de 2022.

O governador trabalha pela composição com todos, mas, mesmo que não consiga a unidade, caminha para ser o único candidato ao Senado dessa base, tendo apoio tanto de Weverton como de Brandão.

Dino também mantém negociações para uma possível migração do PC do B para o PSB.

Outro nome que se coloca como pré-candidato ao governo é o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL). Localmente, ele integra o grupo de Dino, mas nacionalmente aproximou-se do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Nos últimos meses, Dino tem indicado a aliados querer construir a unidade em torno do nome de Brandão. Atuou para que seu vice deixasse o Republicanos, partido alinhado a Bolsonaro, e voltasse para o PSDB, legenda pela qual foi eleito vice-governador em 2014.

Também estreitou as relações com os tucanos localmente. O movimento mais recente foi a reaproximação com o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSDB), indicado para uma diretoria no Porto de Itaqui.

Do outro lado, Weverton acelerou as tratativas com partidos da base aliada em torno do seu nome. Ao longo das últimas semanas, recebeu publicamente o apoio de Cidadania, PSB, PSL e Republicanos. Procurado, ele não respondeu à reportagem.

No plano nacional, Lula trabalha para garantir o maior número possível de apoios ao PT, o que inclui desde Dino ao grupo político do ex-presidente José Sarney (MDB). Nesta quinta-feira (6), Lula e Sarney também se encontraram em Brasília.

Líderes petistas próximos a Lula confirmam que o encontro com Weverton teve maior simbolismo no campo nacional, ao mostrar uma aproximação com um dos nomes mais promissores do partido de Ciro Gomes.

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirma que a reunião foi previamente avisada a ele e Ciro e foi vista com naturalidade dentro do partido. “Ele é pré-candidato ao governo e tem que dialogar com todas as forças políticas. Essa aproximação é natural, importante e estratégica.”

Aliados de Dino afirmam que a base do governador permanece intacta, bem como a relação de Dino com o ex-presidente Lula.

“Não há chance de Lula e Flávio Dino não estarem no mesmo lado na eleição de 2022”, resume Márcio Jerry (PC do B), deputado federal licenciado e presidente da sigla no Maranhão.

A Folha apurou, contudo, que o PT nacional teria resistência em embarcar em uma candidatura capitaneada pelo PSDB ao Governo no Maranhão. No PT local, por outro lado, não há veto ao nome de Brandão.

“Se ele apoiar a candidatura do presidente Lula, não há problema em apoiá-lo para o governo. Queremos o maior número possível de apoios ao nosso projeto nacional”, afirma o deputado estadual petista Zé Inácio. .

Lula ignora Flávio Dino e atrapalha plano comunista no Maranhão

Reunião do petista com ex-presidente José Sarney e apoio a senador Weverton Rocha vão de encontro a planos do governador

Nos últimos dias o ex-presidente Lula protagonizou uma série de ações políticas que devem bagunçar o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) e minar sua liderança política no estado. A reunião com o ex-presidente José Sarney e o apoio ao senador Weverton Rocha (PDT) ao governo do estado são, indiscutivelmente, ações que afrontam a liderança comunista no estado.

O ex-presidente José Sarney, tido como principal adversário de Flávio Dino no estado, foi cortejado por Lula na última sexta. O petista divulgou em suas redes sociais uma foto com Sarney que expõe o laço de amizade entre os dois e o desejo de Lula em contar com o apoio do maranhense em sua base de apoio para a eleição presidencial de 2022.

O gesto de devoção de Lula a Sarney agravou uma outra ação acontecida ainda nesta semana: o apoio ao senador Weverton Rocha.

Weverton disputa a vaga de candidato da frente de esquerda no estado para a sucessão de Flávio Dino. Recentemente o governador deu declarações e se movimentou de forma a deixar claro que não irá apoiar o pedetista Weverton. O comunista prefere o vice-governador, Carlos Brandão (PSDB).

A disputa entre Brandão e Weverton deve se acirrar nos próximos meses. Alguns esperam uma guerra civil pelo poder que pode ter os mesmos resultados de 2020. Na ocasião a base do governador saiu rachada por conta do confronto entre o deputado estadual Neto Evangelista (DEM), Rubens Jr (PCdoB) e Duarte Jr (Republicanos), todos membros do grupo governista que se engalfinharam no pleito.

A desunião entre eles facilitou a vitória do já favorito Eduardo Braide (Podemos) na eleição da capital.

Apesar de não declarar publicamente e de fazer juras de lealdade ao ex-presidente Lula, Flávio Dino tem sua liderança no estado ameaçada por Lula. Menos e um ano após o racha que quase implode sua base, agora o governador tem que gerenciar o fato de que o maior líder de esquerda no país acena para seus adversários no estado.

A ação de Lula também pode interromper a campanha de Flávio Dino que visava fortalecer a base do vice-governador. Em uma tentativa de isolar Weverton Rocha, o governador iniciou uma série de reuniões, todas acompanhadas de Brandão, em que expõe seu apoio e pede ajuda na eleição dele em 2022.

Recentemente o jornal Folha de São Paulo também noticiou que o PT nacional não pretende apoiar uma candidatura capitaneada pelo PSDB ao Governo no Maranhão. O fato é que a intervenção de Lula no estado à revelia do que pensa e quer o governador Flávio Dino é mais um problema que bate na porta do comunista.

Fonte: Linhares Jr.

Lula almoça com Sarney

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se encontrou na tarde desta quinta-feira (6) com o ex-senador José Sarney (MDB), em Brasília.

Lula chegou ao meio-dia na residência de Sarney, no Lago Sul. Os dois almoçaram juntos.

“O [ex-]presidente [Lula] queria vê-lo, também a dona Marly [esposa de Sarney], então, foi fazer uma visita. O [ex-]presidente Sarney tem um grande carinho pelo [ex-]presidente Lula, um grande respeito, e é recíproco também”, disse a presidente nacional do PT, a deputada Gleisi Hoffmann.

Na terça-feira, Lula esteve com outro maranhense, o senador Weverton Rocha (PDT). Num jantar, foi iniciado as tratativas para uma aliança entre petistas e pedetistas no estado.

Vacinado, Sarney, 91 anos, deixou o retiro político de mais de um ano. Já recebeu Jair Bolsonaro —  que lhe prestou continência —  e,  ontem,  reuniu-se  com um grupo de desembargadores da Andes.

Bolsonaro lidera cenários em nova pesquisa; mas Lula ameaça

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lidera os quatro cenários de primeiro turno da pesquisa Paraná Pesquisas divulgada nesta sexta-feira, 7, com percentuais que variam de 32,7% a 34,5%.

Em seguida, Lula aparece com índices que vão de 29,3% a 30,2%.

Entre os outros nomes apresentados, estão o do Ciro Gomes (PDT), do apresentador Luciano Huck, do ex-ministro Sergio Moro, do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de João Amoêdo (Novo), do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, do senador Tasso Jereissati (CE-PSDB), do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) e do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB).

Além de Lula e Bolsonaro, nenhum outro possível candidato obteve mais que 8% das intenções de voto.

Na primeira projeção para o segundo turno, Bolsonaro e Lula se enfrentam. O atual presidente tem 42,5%, enquanto o petista aparece com 39,8%. A diferença entre os dois opositores tem diminuído desde julho de 2020, quando Bolsonaro registrava 45,6% e Lula, 36,4%. Em dezembro de 2020, o chefe do Executivo computava 47,0% contra 33,4% do ex-presidente.

Em janeiro de 2021, Bolsonaro caiu para 42,4% e Lula subiu para 35,7%. Na disputa entre Lula e Ciro Gomes, ex-presidente (38,6%) aparece com 10 pontos na frente do do pedetista (28,1%). No terceiro cenário de segundo turno, Bolsonaro registra 43,4% e Ciro, 35,3%.

Na penúltima projeção, Lula e Doria protagonizam a maior diferença entre os candidatos: o petista fica com 41,5% e o governador de São Paulo, com 23,9%. Na disputa entre os atuais adversários políticos, Bolsonaro obtém 42,6%, enquanto Doria fica com 31,3%. Na comparação com levantamentos anteriores, Doria tem ganho apoio e Bolsonaro tem visto sua influência diminuir.

Mesmo assim, a discrepância entre os candidatos continua grande. O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2010 eleitores com 16 anos ou mais. As consultas foram feitas por telefone, entre os dias 30 de abril a 04 de maio de 2021, em 26 Estados e Distrito Federal e em 198 municípios brasileiros. O grau de confiança é de 95%, com margem de erro estimada em e 2% para os resultados gerais.

Weverton diz que falou com Ciro antes de encontro com Lula e lembra palanques duplos no MA

O senador Weverton Rocha (PDT) afirmou que conversou com Ciro Gomes, presidenciável do seu partido, antes de se encontrar com Lula (PT), na noite de ontem.

“Eu aprendi uma coisa na vida, conversa franca, amizade longa. Eu liguei para o Ciro Gomes e falei do encontro que teria a noite. Na hora do almoço recebi em casa o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi e o líder na Câmara, deputado André Figueiredo e conversei abertamente. Eles sabem do projeto, da construção majoritária que temos feito”, disse Weverton ao Ponto Continuando (Educadora AM).

Weverton lembrou que, nas últimas eleições, existiram vários palanques presidenciáveis no grupo do governador Flávio Dino.

“Nas últimas eleições a gente teve mais de dois presidentes nos palanques, inclusive no nosso palanque, no meu, do Flávio Dino e da Eliziane. Havia o Ciro, o Haddad. Na outra eleição teve três presidenciáveis. Então nunca foi o problema. O presidente Lula colocou muito claro que não ver problema nenhum ir para o palanque aonde eu esteja, onde o meu partido tenha o Ciro Gomes. Pra ele isso é tranquilo, está superado, e quem estiver torcendo e achanado que isso é impeditivo vai se frustrar com certeza”, declarou o senador.

Weverton se reúne com Lula e cúpula do PT

O senador Weverton e o ex-presidente Lula estiveram reunidos na noite de ontem (4), em Brasília.

De acordo com o senador maranhense, foi discutido “o futuro do nosso país e do Maranhão e sobre as jornadas que nos uniram no passado”.

Weverton conversou também com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, com o ex-candidato a Presidente Fernando Haddad e toda bancada petista no Congresso, em um jantar que dourou até tarde da noite.

“O diálogo ainda é o melhor caminho. Ótima conversa”, disse Weverton após sair do encontro.

Vale lembrar que Weverton foi apoiado por Lula em 2018 e agora busca ter novamente o apoio dos petistas à sua candidatura ao governo