15 profissionais da nossa comunicação mortos por Covid-19

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, em todo o mundo, entre as categorias que nunca pararam estão os profissionais da comunicação, sempre na linha de frente para deixar a população bem informada sobre os fatos relacionados à doença e a respeito de outros assuntos de interesse da sociedade.

Em São Luís, a realidade não foi diferente. Todos os dias, repórteres, cinegrafistas, fotógrafos, apresentadores, locutores, entre outros trabalhadores dos órgãos de imprensa, estiveram e estão sempre a postos para alimentar os noticiários, muitos na linha de frente da Covid-19. Enquanto aguardavam pela tão esperada vacina, que chegou para a categoria no dia 29 do mês passado, muitos perderam a luta para a doença.

Um levantamento feito pelo Jornal Pequeno apontou que 15 profissionais da imprensa morreram por complicações provocadas pelo novo coronavírus, na capital maranhense.

A primeira vítima da Covid-19, em São Luís, foi o radialista Roberto Fernandes, da Mirante AM, que faleceu no dia 21 de abril de 2020.

Roberto Fernandes esteve internado por quase um mês, no Hospital UDI, em São Luís, após apresentar um quadro de pneumonia.

Roberto Fernandes tinha 61 anos e era natural de Vitória de Santo Antão, município localizado em Pernambuco. Ele era formado em jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (Ufma) e teve passagens pela Rádio São Luís AM, TV Brasil e Rádio Educadora AM.

Por 20 anos, Fernandes comandou o programa Ponto Final, na Rádio Mirante AM, e também era apresentador do quadro de política do Bom Dia Mirante, na TV Mirante.

Outro que perdeu a vida para o novo coronavírus foi o jornalista Ronald Damasceno, que morreu no dia 13 de maio, do ano passado. Ele foi diretor executivo do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Regional dos Lagos Maranhenses, o Conlagos, onde prestou relevantes serviços.

Formado na Universidade Federal do Maranhão, na turma de jornalismo de 1986, Damasceno atuou em defesa dos municípios da Baixada Maranhense como técnico do Conlagos.

No dia 26 de fevereiro de 2021, morreu o radialista Juarez Sousa, 58. Juarez Sousa trabalhava na rádio Educadora, onde apresentava o programa Tambores da Ilha, ao lado do jornalista Joel Jacinto.

Juarez Sousa também trabalhou na cobertura do Carnaval em São Luís e era cronista esportivo. Por diversos anos, o radialista apresentou o programa Canta Maranhão, nas rádios Educadora e Difusora AM, ao lado da também falecida Helena Leite.

Quem também morreu vítima da Covid-19 foi o cinegrafista Sidney Piedade Carvalho, que trabalhava na TV Assembleia. Segundo informações de familiares, ele não foi testado, mas estaria com sintomas do novo coronavírus. Ele estava em isolamento domiciliar e passou mal no dia 26 de abril de 2020. Ainda foi levado à Upa, porém não resistiu.

Fora estes, neste ano faleceram, por outras causas, a jornalista Názile Duailibe, o fotógrafo Juracy Meireles e o servidor da Secom de São Luís, Conrado Santos Neto e o ex-deputado e jornalista Luiz Pedro.

ALFREDO MENEZES

Tradicional jornalista esportivo do Maranhão, Alfredo Menezes morreu no dia 27 de abril de 2020, em São Luís. Aos 72 anos, Menezes não resistiu às complicações causadas pela Covid-19.

De acordo com familiares, Alfredo Menezes chegou a ser internado no HCI, mas como apresentou melhoras, foi liberado para se tratar em casa. Amanheceu com falta de ar e veio a óbito por volta das 9h30 do dia 27. Ele era solteiro e morava com parentes.

O jornalista foi um dos fundadores da Associação de Cronistas e Locutores Esportivos do Maranhão (Aclem). Nascido em Itapecuru no dia 11 de fevereiro de 1948, Alfredo Menezes estava aposentado de suas atividades jornalísticas.

No dia 17 de dezembro, do ano passado, vítima da Covid-19, morreu o jornalista Régis Vera Cruz Marques, aos 62 anos. Ele estava internado na UTI do Hospital Centro Médico, em São Luís, por conta do novo coronavírus.

Régis Marques atuou em vários órgãos de comunicação, como Jornal de Hoje e Diário do Norte, e foi diretor de Comunicação da Assembleia Legislativa do Maranhão. Régis Marques era filho do jornalista Vera Cruz Marques, que foi cassado pelo golpe de 1964.

ROSENIRA ALVES

No dia 29 de março de 2021, a jornalista e colunista social Rosenira Alves, 60, morreu em decorrência de complicações causadas pela Covid-19. Rosenira ficou internada por duas semanas em um hospital de São Luís. Ela chegou a ser intubada devido ao agravamento do seu estado de saúde.

Rosenira era colunista do Jornal Pequeno, e teve passagens pela Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema) e Câmara Municipal de São Luís.

Também em março deste ano, morreu o jornalista Maycon Rangel Abreu Ferreira, que fazia parte da assessoria de comunicação do Instituto Federal do Maranhão (Ifma).

BATISTA MATOS

No dia 31 de março de 2021, morreu João Batista Matos, que era natural de São Luís e era formado em Rádio e TV pela Universidade Federal do Maranhão. João Batista atualmente era vereador e vicelíder do governo municipal na Câmara de São Luís.

Antes de atuar na vida política, ele trabalhou nos jornais O Estado do Maranhão, O Imparcial e nas emissoras de rádio FM Esperança e Mirante AM.

CARLOS HENRIQUE

No dia 28 de abril, deste ano, morreu em São Luís, aos 78 anos, o radialista Carlos Henrique Cavalcante, o Galinho, vítima de complicações causadas pela Covid-19.

Galinho estava internado há vários dias em estado grave no Hospital do Servidor, lutando contra a doença, mas não resistiu.

Carlos Henrique Cavalcante apresentava o “Programa do Galinho”, na Rádio Educadora Rural do Maranhão, desde o ano de 1966, data de fundação da emissora.

Um dia depois da morte de Carlos Henrique, no dia 29 de abril, morreu o cinegrafista Dorivan Lopes Costa. Dorivan Lopes tinha 57 anos e foi internado no dia 21 de abril no Hospital de Cuidados Intensivos, na capital. O cinegrafista Dorivan Lopes trabalhou como câmera de estúdio na TV Mirante por 15 anos.

RUBEN MUKAMA

No dia 4 deste mês, o jornalista Ruben Mukama, 53, faleceu após ter lutado por 15 dias contra a Covid-19. Internado desde o dia 21 de maio, ele teve uma piora rápida chegando a ser entubado.

Ruben Mukama deixou esposa e uma filha. Ele foi jornalista do Sistema Mirante, da Rádio 92.3 e da FM Esperança. Também trabalhou na Secretaria de Comunicação do Governo do Maranhão e foi superintendente de Marketing da Prefeitura de São Luís, na gestão do prefeito João Castelo.

DUAS PERDAS NA ESPERANÇA FM

Neste mês, a Rádio Esperança FM, de São Luís, perdeu dois de seus colaboradores para a covid-19. Na última terça-feira (8), morreu o locutor Ronian Martins Costa. Ele apresentava o programa Evangelho em Foco, nas tardes de sábado.

Ronian Costa era servidor do Detran, onde exercia a função de examinador de trânsito. Também na terça-feira, morreu a missionária Gilvanete Macêdo, da Assembleia de Deus/Campo Tirirical. Gilvanete auxiliava na apresentação do programa Koinonia.

RUBINHO JONNES

O último nome do levantamento, concluído neste sábado (12), é o de Rubens Gomes, carinhosamente chamado de Rubinho Jonnes, de 57 anos, que faleceu na manhã de ontem, no Hospital Guarás, onde estava internado desde o começo deste mês, tendo sido intubado no dia 4.

Turismólogo e pós-graduado em Assessoria de Comunicação, Rubinho Jonnes apresentava o programa ‘Na Hora do Rush’, nos fins de tarde, na Mirante FM. Rubinho fazia parte da Mirante FM desde 1999, comandando programas como Na Moral, Na Hora do Rush, Mixer 96 e Coração Brasileiro.

No hospital, Rubinho estava internado desde o dia 2 de junho e apresentou uma piora no seu quadro de saúde nessa sexta-feira (11), com comprometimento nos pulmões. O enterro foi realizado na tarde desse sábado, no Cemitério Jardim da Paz, em São José de Ribamar. (Por Luciene Vieira Jornal Pequeno)

Flávio Dino contraria Bolsonaro e continua com obrigatoriedade do uso de máscaras no MA

O governador Flávio Dino afirmou que continuará valendo o decreto estadual, de setembro de 2020, que determina a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos e de uso coletivo e que veda aglomerações.

Independentemente de eventuais orientações nacionais, no Maranhão permanece e permanecerá em vigor, enquanto necessário for, a norma que determina o uso de máscaras em locais de aglomeração pública. Esta é uma proteção à população“, afirmou.

De acordo com o governador, “é absolutamente falaciosa a versão segundo a qual quem teve a doença não terá novamente”. “Isto é mentira. Não há eficácia de 100% nas vacinas”, asseverou Dino, ao ressaltar que, por isso, não há horizonte de curto prazo de retirada da obrigatoriedade de máscaras no Maranhão.

O baixo número de pessoas completamente vacinadas contra a Covid-19 (cerca de 11% da população) e a alta taxa de transmissão do vírus, com a média móvel de novos casos da doença acima de 50 mil por dia, não permitem que a população deixe de usar as máscaras neste momento —incluindo os que já receberam algum imunizante ou já foram infectados pelo Sars-CoV-2.

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que pediu ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, um “parecer” para desobrigar o uso de máscaras por quem estiver vacinado contra a Covid ou por quem já tiver contraído a doença. O ministro informou ter recebido do presidente o pedido de um estudo sobre as máscaras, mas especialistas ouvidos consideram a medida uma temeridade neste momento crítico da pandemia de Covid no Brasil, pois mesmo os vacinados podem transmitir o novo coronavírus para outras pessoas.

Nesta sexta-feira, Bolsonaro disse que caberá a seu auxiliar, a prefeitos e a governadores dar a palavra final sobre o assunto.

“Ontem [quinta-feira (10)] pedi para o ministro da Saúde fazer um estudo sobre máscara. Quem já foi infectado e quem tomou a vacina não precisa usar máscara. Mas quem vai decidir é ele, vai dar um parecer. Se bem que quem decide na ponta da linha é governador e prefeito. Eu não apito nada, né? Segundo o Supremo, quem manda são eles. Mas nada como você estar em paz com a sua consciência”, disse Bolsonaro a jornalistas na entrada do Palácio da Alvorada antes de embarcar para uma agenda no Espírito Santo.

Braide vira meme por empenho na vacinação em São Luís

O sucesso da vacinação contra Covid-19 em São Luís tem ampliado o destaque da gestao Eduardo Braide (Podemos).

Além do reconhecimento do trabalho por lideranças políticas dos mais diferentes matizes políticos, uma prova desse êxito são os memes que circulam pela internet exaltando a postura do gestor da capital maranhense.

Nas bem humoradas postagens, Braide é o “Maníaco da seringa”, ou o “Homem da seringa”.

Brincadeiras à parte, a vacinação em São Luís avançou muito desde a chegada de um lote extra de imunizantes, logo depois de atendidos pacientes com a cepa indiana do novo coronavírus.

Com um estoque gigantesco de vacinas de repente em mãos, a gestão Braide precisou aumentar o número de pontos de vacinação e ajustar uma logística que, hoje, garante a aplicação de quase 20 mil doses por dia.

Flávio Dino realiza Arraial da Vacinação para pessoas a partir de 29 anos

Com o êxito da primeira edição do Arraial da Vacinação na Ilha, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizará neste fim de semana a segunda edição do evento. O novo Arraial da Vacinação é mais uma ação de apoio aos municípios da Grande Ilha, para acelerar a vacinação contra a Covid-19.

Nesta edição, a programação no drive-thru do estacionamento do Pátio Norte Shopping, localizado na Estrada de Ribamar, terá início na sexta-feira (11), às 19h, e acontecerá até às 12h do domingo (13). A vacinação tem como público-alvo, pessoas a partir de 29 anos dos quatro municípios que compõem a Grande Ilha: São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa e São Luís.

O anúncio foi feito pelo governador Flávio Dino em suas redes sociais na última quarta-feira (9). “No Pátio Norte é só chegar e vacinar. Ainda ouve as músicas das nossas festas juninas e ganha mingau de milho. Serão 41 horas consecutivas de vacinação”, anunciou o governador.

Assim como na primeira edição, a parceria com a Secretaria de Estado da Cultura (Secma) vai permitir que, enquanto aguarda a sua vez de vacinar, o público aprecie apresentações típicas do período junino.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, a expectativa é de que sejam imunizadas pelo menos 7 mil pessoas, durante esta segunda edição do evento.

“Na primeira edição do arraial, tivemos um público muito alto na madrugada. Só nesse período foram quase duas mil pessoas vacinadas. E isso é muito bom, pois mostra que a aceitação da população está sendo muito boa”, destaca o secretário.

Para a vacinação, além de ter 29 anos ou mais, é necessário apresentar documento com foto, comprovante de residência, cartão de vacinação e cartão do SUS. Na primeira edição do evento, foram 28 horas ininterruptas de vacinação contra a Covid-19. Durante o período, foram aplicadas 4.885 doses de vacina contra a Covid-19.

Fernando Sarney cotado para a presidência da CBF

Fernando Sarney, o mais importante entre os oito vice-presidentes da CBF, desembarcou hoje no Rio de Janeiro para reuniões na sede da entidade.

Por causa do isolamento social, ficou meses sem pisar no Rio. Estava em São Luís. No início da semana, aliás, Sarney teve alta. Foi contaminado pelo coronavírus. O filho de José Sarney virou o principal nome na condução da Copa América por parte do Brasil.

Voltou a crescer a pressão para Fernando Sarney, filho de quem o nome sugere e um dos vices da CBF, assumir a presidência da entidade no lugar do afastado Rogério Caboclo. O salário de presidente da Confederação Brasileira de Futebol é de R$ 270 mil mensais, além de bônus que elevam a quantia.

Pesa a favor dessa candidatura o fato de Sarney ser considerado, entre a alta cartolagem, um “pacificador” no meio da rede de intrigas que tomou conta da CBF.

Representante da Conmebol no Conselho da Fifa, Fernando Sarney, como Nunes vice da CBF, tomará frente no relacionamento entre Conmebol e CBF sobre a Copa América.

Governo erra o tom e campanha contra a CoVID choca mais do que alerta

A imagem impactante do governo maranhense: dor e tristeza a quem já está sob dor e tristeza pela perda para o coronavírus

Vídeo entoado pelo clássico “Naquela Mesa”, de Sérgio Bittencourt, tinha o objetivo de alertar para o riscos de perdas para o coronavírus, mas apenas machuca quem já está sofrendo pela morte de um ente querido

Análise de conjuntura

O impacto é fulminante.

A campanha do Governo do Estado sobre a CoVID-19 mostra famílias enlutadas sofrendo com a falta de parentes à mesa, sob o som de “Naquela Mesa”, de Sérgio Bittencourt.

Mas, se o governo esperava conscientizar para os riscos de exposição ao coronavírus, a campanha teve um efeito colateral agressivo às famílias que perderam entes queridos para a doença.

– Naquela mesa “tá” faltando ele/E a saudade dele “tá” doendo em mim – é o refrão da canção.

Copiado de uma peça publicitária do Governo da Bahia, a peça não tem qualquer impacto sobre quem precisa ser conscientizado; mas – quase onipresente na TV – amplia a dor de quem está enlutado.

As críticas já ganharam as redes sociais e há quem defenda denunciar o uso inadequado de um clássico da música brasileira.

O que não dá para discordar é que o governo errou ao mão com o comercial…

Fonte: Marcos D’Eça

São Luís passa de 500 mil doses aplicadas

São Luís ultrapassou na noite de quarta-feira, 9, a marca de 500 mil doses de vacinas contra Covid-19 aplicadas desde o início da campanha de imunização.

Até agora, foram aplicadas 515.701 doses dos imunizantes.

A meta foi comemorada pelo prefeito Eduardo Braide (Podemos), que destacou o fato de ela haver sido alcançada no Dia Nacional da Imunização.

“E hoje, no Dia Nacional da Imunização, São Luís chega a marca de mais de MEIO MILHÃO de doses aplicadas! Gratidão a todas as nossas equipes e parceiros. Vocês são top”, escreveu o gestor no Twitter.

Para chegar a esse total, a Secretaria Municipal de São Luís (Semus) vacinou mais de 18 mil pessoas em menos de 24h.

Covid-19 mata o jovem empresário Rafael Lobão, sobrinho do ex-senador Edison Lobão

novo coronavírus fez mais uma vítima na madrugada desta quarta-feira (9). Faleceu em decorrência da Covid-19, o jovem Rafael Lobão. Ele era empresário e filho de Newton Barjona Lobão, irmão do ex-senador Edison Lobão.

Rafael estava internado desde o fim de maio e seguia entubado. Mas ontem o estado de saúde dele agravou e ele não resistiu às complicações da doença.

A família Lobão emitiu nota. Confira abaixo.

NOTA DE PESAR

Infelizmente perdemos nosso guerreiro Rafael Lobão, na madrugada desta quarta-feira, 09, vítima de complicações da Covid-19. Que o Senhor, nosso Deus, possa nos confortar nesse momento de profunda dor nesta precoce partida para a morada eterna de um ente tão querido e amado por todos.

Salmo 16:1
“Guarda-me, ó Deus, porque em ti me refugio.”
Grupo Nova
Família Lobão

São Luís, 09 de junho de 2021

Othelino fala sobre durante sessão a eficácia das vacinas

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), fez um alerta, na sessão plenária desta quarta-feira (9), para que se evite causar pânico na população sobre a eficácia das vacinas contra a Covid-19. O pronunciamento do parlamentar sobre o tema foi feito após discursos dos deputados Dr. Yglésio e Zé Inácio, em torno da eficiência dos imunizantes Coronavac e Sputnik.

O chefe do Legislativo enfatizou a importância de confiar nos especialistas. “A preocupação do deputado Yglésio é pertinente. Mas, certamente, os profissionais de saúde, especialmente os pesquisadores, estão acompanhando essa questão específica da Coronavac. E nós precisamos ter cuidado, claro, para não gerarmos um pânico nas pessoas que tomaram a vacina e elas acharem que estão absolutamente desprotegidas”, observou Othelino.

Para ele, essa discussão ainda vai durar por um bom tempo. “Os imunizantes contra o coronavírus foram produzidos muito rapidamente, então, a cada período que passa, nós vamos lendo análises diferentes com relação a uma ou outra vacina”, frisou. O parlamentar disse ainda que a discussão só terá uma solução prática a partir de uma nova definição no Plano Nacional de Imunização.

“A provocação do assunto, claro, é útil, mas que essa discussão seja travada mesmo de forma científica para que, caso seja necessário, possa efetivamente ser alterada de maneira que não só os idosos, mas todos nós estejamos protegidos com essa vacina, como defendeu com muita ênfase o deputado Yglésio, que, aliás, trouxe algumas informações importantes sobre o tema para todos nós”, finalizou.